sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

MEUS TRECHOS DE "O MONGE E O EXECUTIVO"


"O bom é que quando estamos comprometidos com o amor a Deus e aos outros, e continuamos a investir nesse sentido, comportamentos positivos acabarão produzindo sentimentos positivos, algo que os sociólogos chama de práxis."

"Nós todos temos a tendência de ser muito sensíveis, mesmo que tentemos aparentar calma."

“Nas nossas contas bancárias financeiras fazemos depósitos e retiradas, esperando nunca ficar a descoberto”.

"O que pensamos ou no que acreditamos não tem muita importância. A única coisa relevante é o que fazemos" (John Ruskin)

"O pensamento tradicional nos ensina que os pensamentos e sentimentos dirigem nossos comportamentos, e, claro, sabemos que isso é verdade.
A práxis ensina que o oposto também é verdade. ....Nosso comportamento também influência nossos pensamentos e sentimentos"

"O modo de ser das pessoas depende das decisões, mas não das condições"

"...não tomar um decisão já é uma decisão ....- Não fazer uma escolha já é uma escolha."

"Olhe em torno de nós...os maiores prazeres da vida são totalmente grátis."

"É importante tratar outros seres humanos exatamente como você gostaria que eles o tratassem."

" Exercer influência sobre os outros, que é a verdadeira liderança, é possível para todos, mas requer uma enorme doação pessoal."

"Autoridade não pode ser comprada nem vendida, nem dada ou tomada. A autoridade diz respeito a quem você é como pessoa, o seu caráter e influência que estabelece sobre as pessoas."

"A chave para a liderança é executar as tarefas enquanto se constroem os relacionamentos."

"Se você não mudar a direção, terminará exatamente onde começou." (Provérbio Chinês)

"Li em algum lugar que não vemos o mundo como ele é, mas como nós somos...O mundo parece muito diferente dependendo da nossa perspectiva."

"Tudo na vida é relacional, tanto verticalmente para Deus quanto horizontalmente para o próximo."

"O ouvir ativo requer esforço consciente e disciplinado para silenciar toda a conversão interna enquanto ouvimos outro ser humano."

"O trabalho de tratar os outros com bondade, de ouvir ativamente, de ter e expressar consideração, de elogiar, de reconhecer, de estabelecer o padrão, de deixar clara as expectativas, de dar as pessoas condições para manterem o padrão estabelecido - isto é de fato uma missão diária"

" Alguém uma vez disse , se não tivermos um objetivo definido, nos dispensaremos em ações sem sentido."

"Quando negamos as nossas próprias necessidades e vontades e nos doamos aos outros, crescemos."

"Há muito tempo um homem chamado Syrus disse que de nada vale aprender bem se você deixar de fazer bem."

sábado, 18 de novembro de 2017

Felicidade em Viver


POR:  KIE KUME 

Em qualquer profissão, em qualquer situação, procure sempre cultivar sentimentos de justiça em relação à família, aos colegas ou aos subordinados. Ser justo é saber compreender os que nos cercam, é trabalhar por sua felicidade. Ser justo é também ter a coragem de usar um remédio amargo para reverter uma situação difícil, seja na família, na empresa ou na comunidade em que vivemos. A verdadeira justiça é a que nasce da verdade. Começa com a consciência de que somos filhos de Deus. 

É a “justiça do bom coração”, diz o autor japonês Ryuho Okawa em seu livro “As Leis da Justiça”. Okawa diz que “os iluminados não julgam o próximo. Os iluminados não tentam machucar as pessoas. E estão sempre prontos a oferecer uma boa palavra. São ignorantes os que lançam veneno no coração das pessoas. Ser bom é fazer com que muitas pessoas sintam felicidade em viver”. Para o autor, a grande compaixão é “enxergar o sofrimento e a tristeza do próximo e derramar lágrimas por ele”.

As leis humanas mudam de uma nação para outra, de uma época para outra, seguindo tradições e costumes. Uma atividade pode ser considerada ilegal em um país, não em outro, como, por exemplo, em relação ao casamento entre pessoas do mesmo sexo ou ao uso controlado de drogas. Já a justiça que nasce de um coração bom e compreensivo é eterna, porque se preocupa com a realização e a felicidade dos outros.

“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão saciados; bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”, disse Jesus em seu conhecido Sermão da Montanha. Traduzindo essa mensagem para o mundo de hoje, poderíamos dizer “bem-aventurados” os que lutam por um mundo melhor, por justiça social, pela divulgação de ideias que conduzem à verdade e à felicidade. Bem-aventurados todos os pais, todas as pessoas, governantes e governados, que seguem esse caminho. Construirão famílias, comunidades e nações mais prósperas e felizes.

No mês de outubro, celebramos o Dia das Crianças, que precisam de exemplos de retidão e justiça para moldar um caráter que as capacite a tornar nosso País e nosso mundo um lugar melhor para se viver. Que os pais consigam ser, ao mesmo tempo, exigentes, justos e compreensivos no desafio de proporcionar aos filhos uma educação plena, que inclua formação científica, cultura, história e valores morais. 

O mesmo desafio é dos professores, cujo dia também comemoramos em outubro. Eles têm boa parte da responsabilidade de formar pessoas transformadoras.

O mundo está sedento de justiça. Há minorias que não têm seus direitos respeitados. Há centenas de milhares que não possuem uma moradia digna. Há milhões que estão à margem do desenvolvimento. O mundo anseia pelo surgimento de governantes justos, que se preocupem com os excluídos. 

A justiça que vem de Deus paira acima das leis humanas. É praticada com sabedoria, humildade e compreensão, com a consciência de que devemos, sim, atacar o pecado, mas sempre abraçando o pecador e dando-lhe condições para que volte a trilhar o caminho do bem. Quem de nós não cometeu erros ao longo da vida? Atire a primeira pedra quem não tiver pecado, disse Jesus a um grupo de seu tempo que queria apedrejar uma prostituta.

Todos nós somos chamados a cultivar sentimentos mais nobres em nossos corações. Todos nós somos chamados a participar da construção de um mundo melhor e mais justo. Se cada árvore produzir seus frutos, se cada um deixar germinar em seu coração as sementes do bem estará formada a floresta do amor.


sábado, 4 de novembro de 2017

Projeto Reformadores - Filme (2017)

O Projeto Reformadores produzido pela Doizel visa homenagear os 500 anos da Reforma Protestante contando como ela foi vivida em sua chegada ao Brasil, como ela é vivida hoje e como ela pode ser vivida no futuro. 

Feliz 500 anos! Soli deo gloria!


Reforma Protestante: 500 anos depois




“Jesus foi considerado digno de maior glória do que Moisés, da mesma forma que o construtor de uma casa tem mais honra do que a própria casa” (Hb3.3).



“Pois ele esperava a cidade que tem alicerces, cujo arquiteto e edificador é Deus”  (Hb 11.10).




Estamos próximos da data referencial para as comemorações dos quinhentos anos da Reforma Protestante. Desde aqueles dias longínquos de 31 de outubro de 1517 o mundo sofreu profundas transformações. Deus serviu-se de muitos movimentos na filosofia, na política, na arte e na economia que já estavam em curso no século dezesseis, como o cenário ideal para a Reforma de sua Igreja. 

Inegavelmente, Martinho Lutero nunca teve a intenção de separar-se da Igreja então estabelecida. Na verdade, um grande número de suas teses e durante certo período de suas contestações, o monge alemão procurava isentar o papa de quaisquer erros, pecados ou cumplicidade com os desmandos que ele estava denunciando. Somente com o passar do tempo e com o desenrolar dos acontecimentos, Martinho Lutero deu-se conta de que a Igreja não estaria aberta ao diálogo e às suas possíveis contribuições como teólogo, professor e pregador das Escrituras.

Fundamentalmente o movimento da Reforma é um evento de natureza religiosa e eclesiástica. Não era um movimento que visava reformar a estrutura governamental e política, não deseja criar novos dogmas ou novos cânones. Como disse, nem mesmo a autoridade do papa ou a legitimidade da sucessão episcopal foi questionada nos primeiros ventos reformadores. A reforma Protestante foi o desejo de se voltar o mais próximo possível, na práxis, na ética, no culto e na vida da Igreja e dos cristãos, ao padrão encontrado nas Escrituras. Para tanto, nossos pais reformadores passaram a testar no crivo das Escrituras todas as coisas que envolviam a dinâmica da fé. Aquilo que não pôde sustentar-se diante da Palavra de Deus ou que não foi possível provar como sendo diretamente ordenado pela Bíblia ou que pela luz da natureza e prudência cristã, não encontrasse respaldo nas orientações gerais inferidas da revelação bíblica, deveria ser abandonado sem mais considerações.

À luz da Palavra de Deus, mesmo a tradição salutar e multissecular precisou ser avaliada, purificada e validada. Antes disso, para comprovar o seu valor a Bíblia necessitava da autoridade dos pais da igreja e dos antigos doutores, com suas interpretações, intuições e tratados. A Reforma inverteu essa lógica, desde então, não importa quem tenha dito o quê, um pai da Igreja da envergadura de um Agostinho, um teólogo da estatura de Tomás de Aquino ou um célebre papa como Gregório o Grande, esses só devem ser ouvidos se o que ensinam sobrevivem ao teste da Palavra de Deus. Se com ela se harmonizam e se subordinam, seria uma temeridade não ouvi-los e com eles aprender. Se o que ensinam, contradizem a palavra de Deus, seria loucura, pecado, dar-lhes ouvidos e imitar a sua vida e a fé. Assim, da cátedra ao púlpito, da sacristia ao altar, dos claustros à paróquia, liturgia, pregação e ética foram sofrendo profundas depurações, correções, reformas e sendo adequadas e harmonizadas com a Palavra de Deus.

A consequência disso tudo é que o século dezesseis viu surgir um novo homem, o ‘Homo Reformatus’. Esse novo homem não é menos religioso que o seu ancestral medieval, todavia a sua fé é mais racional, mais inteligível, mais provada e alicerçada. Sua experiência do sagrado não é ‘magiada’, supersticiosa e refém do ‘tremendo sobrenatural’ que era representado nas liturgias misteriosas e incompreensíveis. O adorador reformado adora com a mente, com o entendimento, seu culto é racional na medida em que é uma resposta amorosa ao Deus que abre diálogo com ele mediante a clareza e simplicidade das Escrituras.

Esse novo homem forja também uma nova sociedade, uma nova cultura. Redescobre, a partir da Bíblia, a sacralidade e a santidade do casamento. Redescobre o casamento como um meio natural e ordinário para a santificação dos cristãos. Passa a entender que os cônjuges são chamados à mesma perfeição, às mesmas virtudes e ao mesmo estado de santidade do que aqueles que emitiam seus votos monásticos em uma ordem religiosa. O trabalho manual, a geração de renda, a dignidade da pessoa humana, da mulher, da criança e a popularização da alfabetização são outras afirmações originadas a partir de um novo entendimento da fé, da relação com Deus com base no pacto de graça realizado exclusivamente por Cristo.

Quinhentos anos depois, o canteiro de obras da Reforma da Igreja permanece ativo, ainda, como sempre e infelizmente, os operários são poucos, mas as demandas ainda estão aí. Precisamos pedir a Deus que esse homem novo, o homem bíblico, o ‘homo reformatus’, continue a ser gerado pela fé a fim de que essa obra iniciada e tantas vezes interrompida, adiante os seus dias, para que de cada povo e nação, surja uma igreja fiel. E assim, esteja muito, muito perto, a volta gloriosa de Jesus e aí, uma Igreja nova e acabada seja por Ele resgatada. Que a Reforma continue!

Por.: Luiz Fernando dos Santos (Ministro da Palavra na Igreja Presbiteriana Central de Itapira)
Fonte: www.ultimato.com.br

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Redefina o valor da sua Família


A família e os pilares que a sustentam sofreram fortes abalos a partir de meados do século 20. Alguns deles foram determinantes e necessários para torná-la mais transparente, autêntica, para a preservação de seus valores e para mantê-la, como sempre foi chamada, um “ninho de amor” e porto seguro contra as inevitáveis tempestades da vida.
No afã de acumular dinheiro e riquezas, muitas vezes você pode se esquecer da importância que a família ocupa em sua vida. É nela que está quem mais o ama – a pessoa a quem se uniu, os filhos, pais, avós, tios, sobrinhos, primos.
É muito importante termos determinação para conquistar o sucesso e construir uma carreira bem-sucedida. Devemos, sim, buscar sempre o melhor e construir uma poupança para nossa velhice e para a boa educação de nossos filhos. O autor japonês Ryuho Okawa, que acaba de lançar As Leis da Invencibilidade, diz que nem sempre o sucesso garante a felicidade. Por isso, devemos nos esforçar para que sucesso e felicidade andem juntos.
Muitos homens de negócios deixam de dar a devida atenção à felicidade de sua família e se esforçam apenas para progredir na carreira. É preciso manter uma vida de equilíbrio, ter aspirações nobres e trilhar o caminho do meio – nem sacrificando a felicidade pessoal e a dos que nos cercam em nome do sucesso, nem tendo uma atitude radicalmente oposta, ou seja, abrindo mão do sucesso por julgar que isso garantirá a felicidade da família.
Quando falamos em caminho do meio, falamos em uma vida de equilíbrio entre o tamanho de nossa dedicação à carreira ou à empresa em que trabalhamos e o tamanho de nossa dedicação à família, aos cuidados com nossa saúde e educação, sem nos esquecer de investir no desenvolvimento de nossa própria espiritualidade. Felicidade é viver a vida em todas as suas dimensões e em sua plenitude.
Essa consciência se torna mais forte quando, afetados por crises, nos voltamos para nossa vida privada, reavaliamos nossas condutas materialistas e a avidez pela riqueza ou poder, e nos voltamos mais para valores religiosos. Com o tempo, como diz Okawa, “as pessoas ficam mais introspectivas e começam a sentir que deveriam colocar um freio em sua ambição”. Ele observa que, com menos dinheiro para gastar com amigos e compromissos, naturalmente cresce a convivência com a família e a redescoberta de seus valores.
“Essa mudança pode proporcionar lições importantes. Assim como as pessoas somente dão o devido valor à saúde quando adoecem, os workaholics (viciados em trabalho) podem transformar o período de recessão em oportunidade para refletir sobre a vida que têm levado”, diz o mestre. O foco para uma vida baseada em valores interiores, deixando para trás uma vida de ostentação e extravagâncias, ajudará na compreensão do verdadeiro valor da espiritualidade e na redescoberta dos valores familiares.
Um dos três últimos desejos de Alexandre Magno (rei da Macedônia, 356-323 aC.) expressos pouco antes de sua morte, foi o de ser levado ao cemitério onde seria enterrado com as mãos estendidas para fora do caixão – para que as pessoas soubessem que viera ao mundo de mãos vazias e que de mãos vazias sairia, mesmo depois de suas vitórias militares e grandes conquistas.
Verdade ou lenda, o episódio confirma que devemos sempre lutar para buscar o sucesso, mas com a consciência de que somente levaremos desta vida as riquezas espirituais que acumularmos, em especial o amor e a felicidade que tivermos compartilhado com nossa família e com as que pessoas com as quais convivemos. É também a mais valiosa herança que deixaremos.
Por:  Kie Kume 

sábado, 14 de outubro de 2017

Criança precisa de amor e atenção


Por Kie Kume*


O nascimento de uma criança é a renovação da esperança. É a vida que se perpetua. E não há dúvida de que as crianças têm hoje mais oportunidades e mais condições de realizar seus sonhos do que tiveram as gerações passadas. Mas, se as oportunidades se multiplicam, também aumentam os desafios que acompanham cada nascimento. Neste mundo globalizado, aumentou enormemente a responsabilidade dos pais. Já não basta dar a vida, criar, alimentar e educar, como fizeram muitos pais no passado. Hoje, a realidade é outra e os pais precisam se adequar aos novos tempos. Novos caminhos surgem a cada dia.

Muito antes de formarem seu senso crítico e de estarem preparadas para fazer escolhas, as crianças são bombardeadas por um mar de mensagens dispersas, mimos, modismos e novos aparelhos – num ambiente quase sempre tempestuoso, que as torna irritadiças e permanentemente insatisfeitas. Não há diversidade de brinquedos, roupas, alimentos, celulares e jogos eletrônicos que consiga satisfazê-las. Os pequenos estão influenciando o consumo das famílias e substituindo as brincadeiras de rua pelo computador e a TV, com consequências perigosas para sua saúde e formação.

É com esse permanente ‘quero mais’ que os pais têm de lidar, exigindo muita conversa, orientação e bons exemplos. Os ‘nãos’ têm de dar lugar à construção de uma amizade e a um diálogo transparente e franco em relação ao que cada lado considerar certo ou errado, como o controle ou não do acesso à internet e às redes sociais. Muitos acham que a criança não tem maturidade para estar na internet. Outros ponderam que não adianta proibir algo que lhes é facilitado pelo celular que carregam. A saída possível é orientar, construir e acompanhar.

O escritor japonês Ryuho Okawa, autor do best seller Think BIG - O poder para criar o seu futuro, sinaliza a importância de se trabalhar o futuro da criança: “Se você deseja construir um futuro, precisa alimentar grandes sonhos em seu coração. Seus pensamentos determinam sua vida. Mas seus pensamentos precisam ser mais do que meras intenções. Cuide para que os pensamentos negativos não criem raízes. Tenha pensamentos afirmativos e positivos. Cuidado com as ideias que você planta em sua mente. Elas irão determinar o tom geral da sua vida.”

Uma dose redobrada de amor e compreensão se faz necessária por parte dos pais. Ryuho Okawa afirma que “o amor parece agir como uma forma de nutrição para a criança pequena. Quando o desejo de ser amada não é satisfeito, a criança reage, tornando-se provocadora e causando problemas aos outros”. Em palestra realizada no Japão, Okawa enfatizou que “a causa fundamental dos problemas da vida encontra-se na família, na infância, e muita gente chega à maturidade sem os ter superado. O modo de pensar e viver do indivíduo na infância é o ponto de partida, por isso tem um significado importantíssimo. Mas acontece que a família ideal, sem nenhum tipo de problema, simplesmente não existe. Toda família apresenta pontos positivos e negativos, toda família tem um ou outro tipo de problema”.

Diante desse desafio dos tempos modernos, é fundamental proporcionar uma boa formação humana e espiritual às crianças. Que por meio do amor, do diálogo, da compreensão e busca de ajuda, se necessária, cada um descubra o melhor caminho para cumprir sua missão. 



*Kie Kume é gerente da IRH Press do Brasil, editora que publica em português as obras de Ryuho Okawa. Um dos autores mais prestigiados no Japão, Okawa tem mais de 2.200 livros publicados, ultrapassando 100 milhões de cópias vendidas, em 28 idiomas. www.okawalivros.com.br 
                                 



quarta-feira, 27 de setembro de 2017

SINAIS DE UMA VIDA PLENA


No livro A arte da imperfeição Brené Brown define os 10 sinais de uma vida abundante, que indicam o que uma pessoa plena se esforça para cultivar e do que ela luta para se libertar.

Uma pessoa plena:

1. Cultiva a autenticidade; se liberta do que os outros pensam.
2. Cultiva a autocompaixão; se liberta do perfeccionismo.
3. Cultiva um espírito flexível; se liberta da monotonia e da impotência.
4. Cultiva gratidão e alegria; se liberta do sentimento de escassez e do medo do
desconhecido.
5. Cultiva intuição e fé; se liberta da necessidade de certezas.
6. Cultiva a criatividade; se liberta da comparação.
7. Cultiva o lazer e o descanso; se liberta da exaustão como símbolo de status e da produtividade como fator de autoestima.
8. Cultiva a calma e a tranquilidade; se liberta da ansiedade como estilo de vida.
9. Cultiva tarefas relevantes; se liberta de dúvidas e suposições.
10. Cultiva risadas, música e dança; se liberta da indiferença e de “estar sempre no controle”.

Viver plenamente quer dizer abraçar a vida a partir de um sentimento de amor-próprio. Isso
significa cultivar coragem, compaixão e vínculos suficientes para acordar de manhã e pensar: “Não
importa o que eu fizer hoje ou o que eu deixar de fazer, eu tenho meu valor.” 

Trecho do Livro:  A Coragem de Ser Imperfeito de Brené Brown